DF vive desabastecimento de Hidroxiuréia

14 de abril de 2012

A Associação Brasiliense de Pessoas com Doença Falciforme (ABRADFAL) está fazendo uma apelo aos seus associados que estão sem o medicamento Hidroxiuréia que liguem para o número 160, da Ouvidoria da Secretaria de Saúde do DF e reclamem a falta do medicamento. “Precisamos nos mobilizar para que as providências sejam tomadas com urgência! Teremos reunião no hemocentro neste sábado”, informa Elvis Magalhães, coordenador-geral da entidade. 


Hemorio sedia Primeiro Encontro de Doença Falciforme para os Países do Caribe

14 de abril de 2012

As médicas Clarisse Lobo e Joice Aragão são as organizadoras do evento (Foto: Dalmo Oliveira)

Acontece, de 09 a 13 de abril, no Rio de Janeiro, nas dependências do Hemorio, o Primeiro Encontro de Doença Falciforme para os Países do Caribe . Estarão presentes 25 representantes, entre médicos e enfermeiros das instituições governamentais de seus países.

“Este encontro é realizado regularmente pela Assessoria Internacional de Saúde/AISA do Ministério da Saúde, em parceria com a Agência Brasileira de Cooperação/ABC do Ministério da Relações Exteriores  e desta vez a temática selecionada foi a doença falciforme”, diz Joice Aragão, uma das organizadoras do evento.

“O evento incluirá visita às instalações do Hemorio , aos ambulatórios descentralizados e ao serviço de triagem neonatal do Rio do Janeiro. A ABC nos informa que este foi o tema que reuniu o maior números de representantes do Caribe”, detalha Joice.


MS se prepara para produzir hidroxiureia

2 de abril de 2012

O Ministério da Saúde está ultimando acertos com a Bristol do Brasil para a transferência de tecnologia visando a produção, pelo governo brasileiro, do medicamento Hidroxiuréia. A ideia inicial do MS é que laboratório da Aeronáutica passe a produzir o medicamento, essencial para pessoas com doença falciforme.
Representantes do ministério e da empresa farmacêutica multinacional já realizaram três reuniões e estão agora aguardando apenas uma posicionamento formal Bristol Internacional sobre a questão.
Segundo Joice Aragão, coordenadora do Programa Nacional de Atenção Integral às Pessoas com Doença Falciforme, o objetivo inicial do ministério é produzir Hidroxiuréia em cápsulas de 200mg. A gestora disse que é pretensão do governo que o medicamento também passe a ser produzido em forma líquida, para ser ministrado em crianças já no primeiro ano de vida. “Teremos que fazer estudos em seres humanos , isto é possível, mas, demorará mais tempo”, comenta a especialiasta.
Outra medida anunciada é que o ministério, pelas experiências exitosas que já teve, passe a fazer a compra centralizada e alterar o modo atual que é compra pelo estados e ressarcimento ao estado de R$ 0,85 centavos por comprimido. “Assim, os estados receberiam mediante cadastro de usuários. A compra desta forma reduz sensivelmente o preço do medicamento”, garante Joice.
Segundo dados do próprio Ministério da Saúde, o uso de HU por pessoas com doença falciforme triplicou nos últimos três anos. ”Ao centralizar a aquisição de medicamentos para doença falciforme, o ministério dá visibilidade à essa doença dentro de sua própria estrutura e isto como estratégia é muito bom para nós”, afirma Aragão.

Em 2010, vários estados brasileiros sofrem desabastecimento do medicamento. No Nordeste, Paraíba e Rio Grande do Norte foram os mais afetados e vários pacientes precisaram acionar a Justiça para garantir a entrega da HU pelos Serviços Especiais de Medicamentos Excepcionais nesses estados.