Doença Falciforme – Sesa prepara festa para lançamento de programa de tratamento

Doença Falciforme
Sesa prepara festa para lançamento de programa de tratamento

Um grande evento está sendo preparado para o lançamento de mais um projeto na rede de saúde pública do Amapá. O Programa de Atenção Integral às Pessoas com Doença Falciforme será lançado na área interna da Fortaleza de São José de Macapá, nesta sexta-feira (28), a partir de 17h. Na programação estão previstos as apresentações do cantor Zé Miguel, Grupos de Marabaixo, e da Dança Típica do Grupo Folclórico Lagoa dos Índios.
A implantação do programa visa especificamente instalar uma rede estadual pública que promova a redução da morbimortalidade por causas relacionadas a essa enfermidade. “Através desta rede, o programa vai buscar o diagnóstico precoce e controle clínico adequado, conforme as diretrizes da Política Nacional de Atenção Integral as Pessoas com Doença Falciforme”, disse a gerente do departamento estadual de Atenção Básica à Saúde, Ellen Holanda. Ainda de acordo com ela, durante o processo de implantação do programa médicos, enfermeiros, psicólogos, assistentes sociais, fisioterapeutas, odontólogos, fonoaudiólogos, nutricionistas, técnicos laboratoriais, técnicos em higiene dental, agentes de saúde, agente comunitários e agentes administrativos passaram por capacitações. “Para o atendimento ao público nós já providenciamos a confecção de folderes e cartilhas com orientações específicas aos portadores e seus familiares”, anunciou.
Os equipamentos de apoio diagnóstico já estão sendo implementados no Centro de Saúde da Comunidade Lagoa dos Índios, local que será a sede do Programa Falcêmico. Além dessas medidas, os pacientes terão também cartão de identificação para um melhor acompanhamento. Ellen Holanda lembra ainda o programa da doença falciforme receberá suporte técnico do Hemocentro do Estado do Amapá (Hemoap).
O secretário estadual de saúde, Pedro Paulo dias de Carvalho, justifica a implantação do projeto com dados do Ministério da Saúde, que estima o nascimento de aproximadamente 3500 pessoas por ano portando a patologia no Brasil. Já no Amapá, ele informa que a gerência de Atenção de Básica da Secretaria de Estado da Saúde (Sesa) computa pouco mais de 200 pessoas com anemia falciforme – que recebem acompanhamento da rede pública estadual. “Entretanto, as condições desse atendimento não são as mais favoráveis. Por isso, o Governo do Estado, por meio da sua Secretaria de Saúde, está lançando mão de um programa local para colocar a disposição dessa população um tratamento com mais qualidade”, comentou o secretário.

A doença falciforme
A anemia falciforme é uma doença genética cuja maior prevalência incide nas pessoas afrodescendentes. A Anemia Falciforme tem origem desconhecida, mas provavelmente desenvolveu-se na África, milhões de anos atrás. Protege as pessoas contra a malária, doença comum e séria nos países de clima quente. No Brasil estima-se que 1 em cada 500 negros brasileiros nasce com uma forma da doença. Embora haja uma maior incidência na raça negra, os brancos, particularmente os que são provenientes do mediterrâneo ( Grécia, Itália, etc. ) Oriente médio, Índia, apresenta, doenças. Diante deste quadro é possível deduzir-se que a miscigenação racial existente no Brasil está gerando a continuidade desta anemia, conforme ratifica a literatura cientifica brasileira, apontando de forma contundente que anemias hereditárias no país constituem um grave problema de saúde publica.  A Anemia Falciforme é doença genética e hereditária, causada por anormalidade de hemoglobina dos glóbulos vermelhos do sangue, responsáveis pela retirada do oxigênio dos pulmões, transportando-o para os tecidos. Esses glóbulos vermelhos perdem a forma discóide, enrijecem-se e deformam-se, tomando a formato de “ foice ”. Os glóbulos deformados, alongados, nem sempre conseguem passar através de pequenos vasos, bloqueando-os e impedindo a circulação do sangue nas áreas ao redor. Como resultado causa dano ao tecido circunvizinho e provoca dor. O curso da doença é variável. Há doentes que apresentam problemas sérios com mais freqüência e outros têm problemas esporádicos de saúde.
Geralmente é durante a Segunda metade do primeiro ano de vida de uma criança que aparecem os primeiros sintomas da doença. Exceção é feita nos casos onde o exame de sangue – para detecção da doença – foi realizado já no nascimento ou no berçário. Até atingir a idade escolar é comum a doença se manifestar, é raro isso não ocorrer. A Anemia Falciforme não deve ser confundida com o traço falciforme. Traço falciforme significa que a pessoa é tão somente portadora da doença, com vida social normal. O tratamento pode incluir: Medicação para dor, antibióticos, aumento da oferta de líquidos, transfusão, repouso no leito, cirurgia, sempre recomendada pelo médico.

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s

%d blogueiros gostam disto: